segunda-feira, 29 de agosto de 2011

O que me importa!

Como meu marido sempre diz, eu não posso querer que todas as pessoas sejam como eu. Mas também não admito que as pessoas tentem fazer que eu seja como elas.


Eu quero que o meu tempo livre seja de qualidade, que as conversas que eu tenha sejam produtivas ou MUITO engraçadas. Quero visitar as pessoas que eu amo e receber visitas das pessoas que eu amo (ou o meu marido, porque o que ele sente é tão importante para mim quanto o que eu sinto).

Quero qualidade de vida!

Na minha vida não cabe mais aturar gente chata na falsidade, fazer convite por educação, ou qualquer coisa do gênero.

Eu faço sacrifícios sim, os que forem preciso para agradar, ajudar ou fazer feliz as pessoas que merecem na minha vida. Hoje, eu aprendi a escolher as minhas batalhas, e aprendi a entender que não dá para agradar a todos.

Cada pessoa tem seu papel e sua importância na vida da outra pessoa, e eu não aceito mais forçarem intimidade. As pessoas simplesmente têm que aceitar que a vida é assim, não porque ninguém seja melhor ou pior do que ninguém, mas porque as circunstâncias nos levam a fazer escolhas que aproximam uns e afastam outros.

Nunca tente fazer com que eu me sinta culpada por não convidar um amigo de ocasião para um evento familiar. Ou por não querer receber pessoas que não sejam minhas amigas ou do meu marido na minha casa, que é nosso santuário.

Isso não é contra ninguém, é apenas a nosso favor. Ninguém gosta de penetra na festa, ou de mosca na sopa. Então, façam-me um favor, aqueles que ainda não aprenderam que conhecer uma pessoa não significa ser amigo íntimo: se a pessoa não fizer questão da sua presença em alguma coisa é simplesmente porque você ainda não alcançou o grau de intimidade necessário para aquele evento em particular, e não que a pessoa detesta você e que não podem ser amigos e se falarem normalmente, e então quem sabe um dia serem mais amigos que hoje.

Está na hora das pessoas se ofenderem menos e viverem mais as suas próprias vidas!

É isso.

14 comentários:

Dja disse...

Falou tudo lindona, concordo com vc em gênero, numero e grau.

Beijos e ótima semana pra vc.

Ivan disse...

As pessoas estão contaminadas por essa onda emo rs...
(Desculpa o sumiço!)
Abraço

Sandro Ataliba disse...

Concordo plenamente e assino embaixo. As pessoas precisam realmente se ofender menos e serem mais compreensivas com as escolhas dos outros.
Amo!

Luna Sanchez disse...

Ah Thaís, atingir esse nível de consciência é uma libertação, né? Foi um divisor de águas na minha vida.

Beijo grande.

;)

Paula Li disse...

Oi Taís, eu não faço questão de ser convidada para ir na casa de ninguém e não me ofendo de ser deixada de fora.
Infelizmente a cada vez que penso em fazer uma comemoração, bate a neura, pois sei que muitos se ofenderão em ficar de fora.
Também gostaria que as pessoas entendessem que não é nada pessoal, mas para isso eles precisariam estar em outro nível de desenvolvimento rs.
Bjs

E se fosse com você? disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luna Sanchez disse...

Oi, Thaís, voltei!

Sim, o tweet veio do comentário que fiz aqui, inspirada pelo teu texto e então resultou no post de participação especial lá.

Bacana isso, né? Ideias voando e pousando sobre várias cabeças, aumentando, convidando pessoas à reflexão...Gosto tanto!

Um beijo grande, ótima quarta pra ti!

Flávia Shiroma disse...

Amiga....

Ahhh se todos pensassem como voce...
Por mais que postemos textos e mais textos sobre isso, sempre continuarao a aparecer pessoas assim, que se dao 'liberdades' por conta propria. Parecem uma praga, sei bem o que eh isso.

Que chato.

Bjs

.:*Aline*:. disse...

Oi Thais!
Sabe, vc está coberta de razão. Eu já estive dos dois lados, tanto do de me sentir ofendida por não estar incluída em algo tanto do lado de não sentir vontade/necessidade da companhia de certas pessoas. Mas hj, não ligo mais. Se quiserem me convidar bem, se não, nem ligo mais. Como vc disse é pq naum atingimos o grau de intimidade necessário.
Qunto à convites da minha parte, só chamo se realmente aquela pessoa for de alguma forma importante para mim.
E copiando o seu bordão: "É isso."
rsrrsr beijos

Gisley Scott disse...

Quando eu fiz a festa de aniversário do meu esposo, deixei muita gente de fora,mas muita gente mesmo justamente pelo que vc tratou aqui.

Não é pq a pessoa diz oi ou faz algo junto que isso signifique que eles têm um laço. Uma pessoa teve a cara de pau de dizer na frente de todo mundo que sentiu a falta nossa no aniversário dela e queria que nós tivéssemos vindo. Detalhe: essa pessoa não me liga, não tem interesse em ter uma amizade ou nada desse tipo,mas se eu não apareço na festa dela pra trazer mais popularidade à sua pessoa e ao seu perfil no fakebook, digo facebook, aí eu sou mal agradecida? Me poupe, me economize pois quero meu troco!

Bjos!

Indy. disse...

Ah, sim. Tens toda razão..
Creio que apenas quando a humanidade souber entender o valor de uma amizade o mundo irá progredir!

bj =)

Dayse Sene disse...

Não devemos permitir que alguém saia da nossa presença sem se sentir melhor e mais feliz.
Madre Teresa de Calcutá
Para mim essa frase da Madre, exemplifica muito a relação que devemos ter com as pessoas... importante doarmos e recebermos algo de alguém que cruzou o nosso caminho. Uma bela noite.
Um grande abraço.

Dayse Sene disse...

Não devemos permitir que alguém saia da nossa presença sem se sentir melhor e mais feliz.
Madre Teresa de Calcutá
Para mim essa frase da Madre, exemplifica muito a relação que devemos ter com as pessoas... importante doarmos e recebermos algo de alguém que cruzou o nosso caminho. Uma bela noite.
Um grande abraço.

Camila Monteiro disse...

Thaís, concordo com cada palavra! Meu, as pessoas estão cada dia mais chatas e mais intrometidas! A vida está lotada de convenções e quando cumprimos todas elas percebemos uqe o dia acabou, não é justo isso!
Tenho essa vontadede mandar aspessoas passearem (pra não dizer outra coisa) Tenho vontade de ser livre ao menos no quintal da minha casa, credo!