terça-feira, 2 de novembro de 2010

Caso 3 - Em andamento - Sobre os jogos pessoais

Não vou fazer de conta que estou escrevendo este post com absoluto domínio do que estou dizendo. Este mistério está para ser desvendado junto com vocês, enquanto eu penso, escrevo, compreendo.

Uma coisa é certa: os joguinhos pessoais, emocionais, psicológicos, me enjoam. Não é um enjoo apenas metafórico, mas literal. Cheguei a um certo estágio da minha vida em que não tenho mais paciência pra isso. Não visto máscaras, não faço tipo, não brinco de adivinhação.

Mas isso não é sobre mim, e sim sobre os joguinhos. Eles podem atrasar sua vida pessoal e profissional... quando você brinca com eles e também quando não brinca... confuso! Mas pensem comigo... só alguns exemplos do mar de possibilidades:

1 - No seu relacionamento:
- Você finge que gosta de um monte de coisas que não suporta, mas um belo dia você se cansa e começa a se mostrar uma pessoa diferente de antes, obviamente muito mais chata, já que podia oferecer benefícios que não pode mais. A máscara sempre cai, ninguém vive uma novela pra sempre.
- Você manda indiretas, faz cara feia, fala em metáforas, esperando que o outro entenda o que te incomoda e faça tudo que você espera. Não rola. O máximo que se consegue é um relacionamento sem comunicação, onde um parece insensível, o outro maluco, e as brigas se intensificam até resultar no fim.

Basta entender que o relacionamento é como uma sociedade, onde as cláusulas do contrato têm que estar claras, definidas, cada um fazer sua parte e receber seu lucro. E cada nova cláusula deve ser discutida e aprovada pelos sócios. Assim como em qualquer sociedade, é claro que algumas vezes os sócios precisam investir para que a empresa se desenvolva.

FOGE À REGRA: A etapa da conquista e sedução. Quem não joga o jogo da conquista, perde uma das etapas mais gostosas da relação! :)

2 - No seu trabalho:
- Você faz o jogo de concluir imediatamente as coisas bobas que o seu chefe pede, ficando em evidência. Mas empurra com a barriga a sua verdadeira rotina, aquela que será checada a médio e a longo prazo. Depois fica reclamando que não adianta fazer 100 coisas certas, porque é sempre da errada que vão se lembrar. Só esquece que poderia ter dito não anteriormente, justificando com as reais atribuições, recebendo o mérito no momento correto.
- Também tem aqueles que jogam com os colegas de trabalho... campo perigoso. Em toda empresa tem a piranha, o desleal, o incompetente, a puxa-saco... lucra bem mais quem não entra nestes diálogos, não fere a imagem de ninguém. Estes têm muito mais chance de sair com sua imagem ilesa.

O segredo é tão fácil... o seu chefe também é humano. Basta falar a verdade sobre cada situação, mostrando assim que você é um profissional confiável, responsável e capaz de pedir suporte quando necessário.

FOGE À REGRA: Os joguinhos com o pessoal do RH... Sim, você tem que participar e sorrir em todos aqueles processos seletivos que enchem o saco e não avaliam nenhum profissional de fato. E nas palestras e avaliações subsequentes. Não porque seja agradável, mas porque é preciso algum esforço para manter o emprego, além de trabalhar. rs

3- Com os seus amigos:
- Você faz o joguinho de ser legal com todo mundo, conversa, dá toda a atenção sempre que está presente. Mas é aí que está o detalhe, sempre que está presente. Quem tenta agradar todo mundo, ser o confidente de todas as horas, de todas as pessoas ao redor com problemas... esta pessoa sempre deixa a desejar. Amizade é muito mais do que isso. A sua presença (não física o tempo todo, mas incondicional) é importante... e como alguém pode oferecer isso a milhares de pessoas? Nem com a internet é possível, porque seria necessário um tempo tão grande navegando, que a pessoa não poderia trabalhar ou se relacionar com ninguém na vida real. "É impossível ser tudo pra todos" (Carbona)
- Você faz o joguinho de falar meias verdades, ou inteiras mentiras para não magoar ninguém... Um susto: acaba magoando muito mais, quando finalmente seu amigos descobrem e percebem que não podiam contar com você. Se você não pode atender alguém, simplesmente diga a verdade. Talvez você deixe de ter algumas pessoas te considerando como amigo, mas certamente magoará menos corações e fortalecerá as relações de que pode participar de fato.

Também não é nada demais... é só uma questão de aprender que, na vida, temos que fazer escolhas algumas vezes.

FOGE À REGRA: Você pode mentir para um amigo pra fazer uma festa surpresa...rs


Na minha opinião, são todas coisas simples de concluir, de aprender. No entanto, me pergunto porquê continuo lidando com isso na minha vida, mesmo com pessoas que admiro. Me pergunto se eu também vacilo e jogo com alguém de vez em quando. Que necessidade é esta que o ser humano tem de se sabotar, de possibilitar o fracasso de suas próprias investidas? Alguém sabe me dizer?

É isso.

6 comentários:

Ana Cristina Cattete Quevedo disse...

Oxe, já caí em várias situações dessas...
Que vergonha rs

(claro que pode usar o poema, como quiser :) )

Beijo

Sandro Ataliba disse...

Quero desvendar estes e outros mistérios com você. Posso? ;)

Rê Lopes disse...

Menina, você me pegou!
Porém acredito que a beleza da vida está justamente em se acertar e aprender "a tentar" ser sempre o mais original possível.
Acho que a partir do momento que criamos esse tipo de consciência e problematizamos esses fatos, já estamos fazendo boa parte do que nos cabe. Beijos!!!

Sarah Moraes. disse...

Quando tempo eu não venho aqui. Mas pelo menos vim em um bom momento.
Concordo com TUDO o que você disse no texto acima, principalmente a parte relacionada às amizades. Quem tenta abraçar o mundo quase sempre magoa 70% das pessoas que vivem nesse mundo. :/
Adorei o texto, muito interessante.
Estarei aqui para ler os próximos mistérios. =)

Beeeijos

Luiz Coelho disse...

Eu magoou todo mundo, mas eu acho que não sou tão inteligente para fazer estes joguinhos ai não... Acho que meu caso é pior!!! Ai meu Deus e agora? #burrice

Te adoro e vc escreve coisas muito legais :o)

Ah e nossa amizade é legal pq não precisamos estar sempre perto né?

Anล Kลtเล disse...

Pois é, acho q meu problema está em ter sido tímida, observadora e não externar o q sentia. Hj eu falo bastante.... se gosto, gosto... Se não gosto, evito. Mas evitar pessoas q aparecem em reuniões de amigos é impossível e eu tb não tenho coragem de ignorar, sou educada. Uma vez uma amiga querida e eu brigamos por email, acredita? Desde então eu procuro ser mais clara possível e buscar a claridade nas pessoas: desembuxa logo aí o q te aflige, pq tá chateada, o q fiz ou deixei de fazer... para não ter mais "surpresas".
Bjooooooooooo...