quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Caso 4 - Ciência da vida - Mutação

Este post é inspirado no post de uma amiga do mundo do blog, Ana Cristina - Incongruente Lisura, que gentilmente permitiu que eu transcrevesse o trecho que mais mexeu comigo e me levou a este post...

"Dentro de mim há uma flor
Que, madrepérola, muda de cor
Conforme as gritantes nuances que sofro
Conforme as mudanças contínuas do humor..."


Quantas pessoas diferentes somos no decorrer da vida? Não falo apenas dos diferentes papéis que temos que exercer: filhos, pais, cônjuges, pessoas, profissionais... Apenas isso já seria o bastante para pirar! rs Mas gostaria de ir além...

Fico pensando em mim mesma, quantas fases vivi, quantas pessoas diferentes eu fui, mas não por falta de personalidade, muito pelo contrário, mas por me entregar de fato a cada "nuance" da minha vida. Por quantas coisas eu passei para me transformar em quem eu sou hoje? Não sei... Quantas vezes fui intolerante ou tolerante demais? Quantas vezes fiz guerra em tempos de paz? Ou perdi a guerra por não lutar? Não sei. Só sei que destes desencontros é que tiramos grandes lições. Claro que também somos capazes de aprender com os encontros da vida. Naquelas vezes felizes em que acertamos o que estamos fazendo. Mas nós só conseguimos isso depois de muitos desencontros. É preciso perder para aprender o valor de ganhar. É preciso ser o ratinho do laboratório, vivendo e sentindo dor, para depois ser o cientista observando e aprendendo.

Certa vez, escutei de alguém com quem me relacionei por mais de 10 anos, a seguinte frase: "Você mudou muito." Eu só pude pensar: graças a Deus!!! Já pensou se eu ficasse estagnada no tempo com as mesmas certezas, se eu nunca me questionasse, se nunca tivesse flexibilidade, se nunca questionasse os outros? Que bom que eu mudei, que bom que temos a chance de mudar - e muito - na vida!

"Prefiro ser essa metamorfose ambulante, do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo" (Raul Seixas)


Não quer dizer que temos que mudar tudo o tempo todo... Há tempos de mudanças bruscas, em busca de si mesmo... Há tempos de mudanças totais, fugindo de si mesmo... Há tempos de mudanças serenas, se ajustando ao bom para torná-lo melhor.

O que encanta é que temos a capacidade de interagir o tempo inteiro com o Universo. "A gente muda o mundo, enquanto o mundo muda a gente." Essa troca é que nos faz evoluir. Então,  façamos um exercício hoje. Primeiro, pegue todos os seus valores, aqueles que você não pode trair... esses você guarda direitinho no seu coração, porque são parte da sua essência, do seu caráter, da sua personalidade. Agora, pegue todas as suas certezas, suas teorias sobre a vida e analise-as. Pense em tudo que você já viveu referente a elas e se vale a pena mantê-las... Se são assim tão certas, se você não exagerou, se não fez drama... Pense naquilo que você mudou em você por mágoa e não por lição. E se não vale a pena repensar e voltar a ser como antes também... O resultado deste tipo de análise é que podemos ser pessoas melhores, mais felizes, e fazer as pessoas que amamos mais felizes  também.

É isso.

4 comentários:

Rê Lopes disse...

"A única coisa permanente na vida é a mudança." Um amigo meu sempre me diz isso.

Na aula de sociologia aprendi que temos vários papéis sociais. Enquanto esses não entrarem com conflito, não somos pessoas instáveis, mas adequamos nossa conduta em diferentes situações.

não sei quem vc foi um dia mas sei que amo a pessoa q vc eh hoje!!! Beijos!

A.Tapadinhas disse...

Pegue todos os seus valores, aqueles que você não pode trair...

...pegue todas as suas certezas, suas teorias sobre a vida...

É muito difícil no mundo actual manter os valores e ter certezas!

Vale a pena lutar por eles, mesmo que à partida as hipóteses de vencer sejam muito ténues...

Beijo,
António

Anล Kลtเล disse...

A frase da minha vida: "É preciso mudar muito para continuar sendo a mesma."
E vejo isso no que vc escreveu. Nossa essência é imutável mas para sermos pessoas melhores e realizadas precisamos mudar alguma coisinha todos os dias, nem q seja a cor do esmalte!
Bjooooooooo...

Caesar Moura disse...

Tatá, that´s it! No fim, é como digo, tudo é uma questão de autocrítica, de olhar para dentro e se questionar... Afinal, "dar jeito na vida dos outros é fácil", o difícil é "dar jeito" nas nossas "várias vidas"! SEMPRE bom demais passar por aqui: Fortalece minha crença no Ser Humano q por tantas vezes é abalada e testada! Rs