sábado, 22 de janeiro de 2011

Sobre o mundo corporativo

Queria precisar de menos dinheiro para pagar as minhas contas.

Sinceramente, a área em que eu trabalho só faz as pessoas se tornarem mesquinhas, cheias de ego e sedentas por tudo aquilo que não tem importância. Mais um pouco e eu consigo largar isso tudo... Só mais 3 anos... Pra quem já faz isso há 12... Me sinto morrendo por dentro cada vez que tenho que agir profissionalmente, esmagar o que alguém está dizendo para não ser eu a esmagada. Este tipo de poder não me interessa.

Mais uma vez eu tive a ilusão de que poderia ser diferente e que ali se estaria fazendo coisas pelas pessoas. Até consegui fazer algumas, mas no fim, tudo continua se tratando de lucro. O lucro não é algo ruim, o ruim é o quanto alguém consegue usar meios ruins para atingir este fim.

Nestes 12 anos, em todo este tempo, só tiro deste meio uma única empresa, que pensava em lucrar sim, mas também havia humanidade. Acho que não tem problema eu citar o nome da empresa fazendo um comentário positivo. Rezende & Moura Corretora de Seguros, que tem como sócio-gestor, uma das pessoas mais íntegras que eu já conheci na minha vida.

Quanto às pessoas, claro que conheci pessoas maravilhosas também, que estavam no jogo, mas sem jogá-lo. Mas estou falando de corporações, de corporativismo. E isso se sobrepõe às pequenas iniciativas individuais.

Só espero que o tempo passe e eu realize um novo sonho, o sonho de ajudar as pessoas no meu trabalho, e não o de estudar maneiras de afundá-las. Cansei do ego inflado e de todo esse lixo que tenho que administrar. Adoro fazer o que eu faço, adoro os números, mas a cada ano que passa, está mais difícil lidar com aquilo que deveria ser bom: os recursos humanos da empresa. Infelizmente, o gestor de todas as empresas se chama dinheiro, e por trás do nome "equipe de trabalho" está na verdade o nome "competidores".

Um dia... eu ainda chego lá...

"Um belo dia resolvi mudar
E fazer tudo o que eu queria fazer
Me libertei daquela vida vulgar" (Rita Lee)



É isso.

5 comentários:

Sandro Ataliba disse...

Eu tive a sorte de descobrir bem cedo o que eu não queria para minha vida. Até demorei um pouco para descobrir o que queria, mas o que não queria ficou claro em meu segundo emprego.
desde então batalhei, batalhei, e hoje posso dizer que consegui.
Espero que você consiga logo o seu. O que posso prometei, enquanto isso, é estar aqui ao seu lado, para amenizar o que puder ser amenizado, e tornar menos dura sua jornada.
♥x!

Gisley Scott disse...

O mundo corporativista realmente não perdoa...Foi assim com meu marido.Fizeram ele de burro de carga,pagando pouco, quando ele fazia o trabalho de 3 gerentes...Quando ele saiu, todo mundo teve que dançar a Macarena e aprender a rebolar ( e a trabalhar haha!) pra bater metas e trazer lucro pra empresa...

Quando ele saiu, ninguém tentou nem fazer uma proposta.Quando o chefe do distrito perguntou ao diretor da loja se ele deveria fazer uma proposta ao meu marido, o diretor disse que ele não queria o Mateus de volta...

É uma cova de leões mesmo...Mas logo logo tudo se ajeita e vc não vai ter que lidar mais com isso!

Sucesso :)!

Luiz Coelho disse...

Sou um professor no mundo corporativo :)

Jana. disse...

Engraçado como a vida nos da sinais. Sigo o blog do seu marido e resolvi entrar no seu hj, pois foi citada em um post dele.
Entro e justamente um texto sobre o maior alvo de meu desprezo nos últimos tempos: mundo coorporativo.
Sinceramente, é terrível ser alguém contemplativo preso por burocracias.
Uma amiga que trabalha comigo até citou que reuniões de trabalho parecem com começo de namoro...tudo para agradar o alvo, falsamente.

:)

Sarah Moraes. disse...

Já disse isso a você antes e depois de ler esse post não custa nada repetir: te admiro por conseguir lidar com isso a cada dia.
É difícil, chato e tenho certeza de que não quero isso pra mim.
O mundo coorporativo é assim mesmo [falou a experiente, rs]. A sorte é que existem pessoas como você que não se permitem serem infectadas pelo monstrinho da ganância.
Mas, quando puder, caia fora!

Beijo :)