quarta-feira, 8 de junho de 2011

Um pouco de acidez.

Tento não tornar o blog tão pessoal que seja sobre histórias sobre mim. Tento fazer com que seja sobre conclusões sobre aquilo que a gente vive. Mas há períodos em que se torna quase impossível não se escrever, não se descrever, não contaminar todas as suas opiniões pelo o que está tomando seu tempo, seu sono, sua beleza.

Estou bastante cansada. Não da rotina, não das provas, não da minha vida. Estou cansada da dificuldade para se conseguir qualquer coisa. Parece que tudo tem que ter uma dificuldade grande para eu conseguir conquistar. E, acreditem, não estou aqui fazendo drama, ou me fazendo de vítima. Claro que existem obstáculos para todos, mas até o mínimo ato ganha burocracia na minha vida ultimamente. Não se trata de um assunto apenas, mas da junção deles, dos grãos de areia que estão formando este deserto.

É assim que me sinto, atravessando um deserto. O que antes seria apenas um caminho com obstáculos para chegar ao objetivo, está cada vez mais parecido com um deserto interminável para alcançar um oásis imaginário. Eu não vou desistir, porque eu mereço alcançar os pequenos passos que busco. Mas eu mudei. Hoje definitivamente eu cansei de me importar com o emprego das pessoas, cansei de ser maltratada, humilhada, feita de boba. Cansei de não ser ouvida, de ser enrolada, de ser ludibriada.

Eu não dependo da Prefeitura de Quissamã, não dependo da CEF, nem do Detran e nem do confuso Banco Santander. Eu tenho um nome e uma reputação construída ao longo do esforço ano após ano. Eu não devo nada nem ao meu pai. hahá (piada interna). Quem atravessar o meu caminho agora vai enfrentar processos administrativos, judiciais e o que mais se fizer necessário. Continuarei sendo boa com quem for bom pra mim. Mas serei um rolo compressor para qualquer um que agir de maneira errada comigo. Eu mudei, e não vai ser bom pra muita gente, porque agora eu vou ser boa com as pessoas, mas vou ser melhor comigo mesma.

Mas, enquanto isso, amenizando o post, de todo mundo que comentou deixando música, gostei mais de uma das músicas da Gisley, Bruce Springsteen - "Secret Garden", a qual ela definiu perfeitamente dizendo que define a mulher. Foi então que me lembrei de uma antiga, Bryan Adams - "Have You Ever Really Loved A Woman?", que também descreve a alma feminina e a entende muito bem.

Deixo o vídeo das duas músicas, que tantas vezes falam por mim.

É isso.



7 comentários:

Salamandha disse...

Cada momento é escolhido por nós, e portanto, importante ao nosso crescimento. Agradeça a Deus.

Como sempre desejei, retirar o amargo e embalar no doce...


A receita da felicidade... um cão, um bebê e bolinhas de sabão...

http://www.youtube.com/watch?v=gnagemulucw&feature=player_embedded

Tinhamuuuuuuuu

Arnoldo Pimentel disse...

Quando chegamos ao final do deserto que atravessamos, podemos ver que valeu a pena lutar por nossos objetivos.Beijos.

Jana. disse...

Olha, eu tô na mesma... estou fazendo os 365 dias no post e é meio inevitável acabar falando de modo pessoal.
acho isso bacana de vc com seus leitores, é uma aproximação e uma quebra de linearidade.
bjos

Sandro Ataliba disse...

É triste ver uma pessoa que não merece passando por tantas provações, enfrentando tantos obstáculos, quando só faz tirar os obstáculos da vida dos outros.
Fico triste por ter chegado a tanto, mas entendo perfeitamente seu ponto de vista. E, independentemente da situação, estou ao seu lado.
♥x!

Indy. disse...

Minha linda, eu posso imaginar como você se sente. Talvez, eu ainda não tenha passado por tantos obstáculos quanto você, mas tenho a sensação de já ter passado por esta mesma dor.
A sociedade é esmagadora, não importa o quanto somos bons. Quando eu falei em meu post sobre "relacionamentos" que deveriamos nos amar antes de tudo, é pq nesta vida, somos nós por nós mesmos. Um só companheiro, um só amigo verdadeiro já é uma dádiva.. Porque o resto... O resto só quer passar por cima de nós!!
Mude, mude pelo seu melhor. Preserve o seu amor próprio e a sua felicidade, mas não se torne mais uma no meio de tantos hipócritas!
perdoe-me a ousadia do meu comentário e por meter meu naziz onde não fui chamada, mas precisando, estamos aí... hahaha
Bjs e que tudo se acerte, flor.

Silene Neves disse...

Mudar a si mesmo... o início da mudança externa. Tudo muda... quando mudamos!Não é fácil... nem simples!

Mas... é possível! E isso é fascinante... a possibilidade de que aquilo que nos incomoda "mude"!

Tudo em nossa volta (coisas e pessoas...) são a resposta do que somos!

Desejo-te uma vida plena... dias de paz... e todas as suas conquistas "realizadas" uma a uma!

Deixo-te beijos...

Com carinho

Sil

Flávia - Compartilhando Idéias... disse...

Querida Tatá,
Demorou para você agir desta forma.
Vamos engolindo sapos enormes durante muitos anos das nossas vidas, até que um deles, o último, entala na garganta, não desce de jeito nenhum e nos vimos obrigadas a tomar providências.

"Desse jeito não dá!!"

Te apoio totalmente!
Mas ó, não vai voltar a ser tão boazinha e compreensiva de novo daqui um tempo hein!
A gente tem mania de dizer que vamos mudar, etc e tal e depois a gente esquece e volta a ser a bananona de antes.

Temos que ser firmes e tratar as pessoas e as coisas como merecem.

Apoiado!
Bj