quinta-feira, 30 de junho de 2011

Por que a vida a dois vale a pena

Deixando de lado o chega pra lá dado em quem mereceu, volto à programação normal do blog, o qual desde que reformulei, pensei em criar textos para ajudar as pessoas por esta vida. Dividir experiências e opiniões, que possam auxiliar a quem esteja vivendo determinada situação, ou até a mim mesma, através dos comentários que, concordando ou discordando, muito me enriquecem como pessoa, como ser pensante, e principalmente como ser humano que quer e precisa melhorar continuamente.


Hoje eu resolvi falar sobre o casamento de novo. Sempre que deixo uma declaração aqui no blog pro meu marido, ou falo sobre a importância do amor, recebo muitos comentários fofos, lindos sobre o amor que a gente vive. Fico lisonjeada e sei o valor do que eu vivo, mas às vezes acho que faço parecer que tudo foi simplesmente fácil e natural. O amor é, claro. Mas a convivência, esta necessita de muitos ajustes para funcionar e não carregar o amor para o abismo. Acho que este post é dirigido a todos, mas especialmente para aqueles que vivem os primeiros passos do casamento.

É claro que tem a parte da lua de mel, em que a felicidade e a paixão cegam um pouco. Mas logo vem a rotina, o dia-a-dia, e você se vê convivendo com uma pessoa que tem outros hábitos, outros costumes, outra educação. E, por mais que vocês combinem em muitas coisas, você vai descobrindo todas as outras coisas em que vocês não combinam. Não só os hábitos, como também pensamentos e valores, que só aparecem depois do casamento - depois de morar junto, dormir junto, acordar junto.

E o que acontece hoje é que as pessoas não precisam mais manter aparências, salvar relações. Sem pensar duas vezes, simplesmente não seguram a onda e se separam. E lá se vão todas as promessas de serem felizes para sempre. É uma ansiedade, uma falta de paciência e, sinceramente, muito de egoísmo, porque se o pensamento dos dois é fazer o outro feliz, os dois sempre serão felizes. As maiores crises que existem dentro de uma relação sempre são desencadeadas pelo egoísmo, porque as pessoas ignoram o "nós" e só pensam "eu", "eu", "eu".


Constantemente nos deparamos com os livros de autoajuda que nos dizem que é preciso ter amor, respeito e admiração para que a relação dê certo. Ok, já entendemos, mas comoooo? E por que muitas relações que têm isso não dão certo? Qual é a receita? Na verdade, eu acho que nenhuma. O que posso dizer pela minha experiência é que não é fácil a fase de adaptação. É preciso mais do que amor, respeito e admiração.

É como ir morar em outro país. Você precisa estudar a "cultura" da outra pessoa, aprender a falar outra língua, com a qual você realmente se faça entender. Tem que ter paciência, boa vontade, persistência. Ah, e já falei paciência, né? Porque paciência é o que mais importa! rs. Os dois precisam estar altamente engajados em fazer funcionar. Sim, porque só o amor não faz funcionar! Os dois têm que estar dispostos a abrir mão de alguns velhos conceitos e hábitos. E têm que ter sabedoria para não abrir mão de tudo e saber quando pedir ao outro que ele ceda. É preciso testar os limites do outro e os seus próprios para que as peças vão se encaixando, para que nenhuma das coisas deixadas para trás sejam um peso na relação, simplesmente porque o bom funcionamento da relação vale a pena, por toda a paz que traz.

É ilusão pensar que o seu amor é tão legal que você não terá que mudar nem um milímetro da sua vida. Quem casa tem que estar preparado para algumas mudanças, por mais liberal que seja a relação. Conviver é uma arte, sem dúvida alguma. O importante é que o amor sempre esteja acima das pequenas coisas que acontecem e que se pratique a arte de "deixar para lá". Cuidar do outro, dar atenção, fazer pequenos gestos que são os mais importantes de todos, e fazer grandes gestos românticos para surpreender de vez em quando. Não deixar a paixão morrer totalmente, mesmo nos momentos em que a rotina estiver mais sufocante, mesmo quando os obstáculos estiverem muito grandes.

Como eu disse, não é fácil viver a dois. Mas também não é tão difícil quanto pareceu neste post...rs A fase de adaptação ao outro é complicada sim e muito diferente de namorar. No entanto, quando o amor é maior e as pessoas estão dispostas a investir de verdade na relação e não apenas em si mesmas, tudo anda, a dificuldade passa, os ajustes são feitos e a paz que se encontra no abraço de um amor verdadeiro é algo que depois de experimentado, é impossível viver sem.

Por isso eu fiz, faço e farei milhares de declarações para o meu marido. A pessoa que junto comigo colocou não a mim, ou não a si mesmo em primeiro lugar, mas colocou a nossa vida a dois na frente de tudo. E, sendo assim, não importa quantas tempestades passem, o nosso lar sempre estará seguro. E o casamento acho que é isso, deve ser mesmo derivado da palavra casa. Porque casamento é quando você encontra no outro o seu abrigo. Este é o meu casamento. E é isso que eu desejo a todas as pessoas que acreditam no amor. Que vivam este amor, que nutram e alimentem este amor, que cuidem e que colham frutos assim. Vale a pena, porque ainda melhor do que ser feliz sozinho, é saber que se é capaz de ser feliz sozinho, e ainda assim valorizar a felicidade que se encontra no outro.



É isso.

10 comentários:

Sandro Ataliba disse...

Mas como minha esposa escreve bem. Que orgulho! Eu assino embaixo tudo o que você disse.
♥x!

Carla Fernanda disse...

Querida casamento é uma arte e eu desejo que vivas muitos anos, para sempte ao lado so seu amor.
vcs são lindos!!!
Beijos,
Carla

Gisley Scott disse...

Acho que vc pautou de maneira bem realista e equilibrada do que o casamento realmente é...

Qto a paciência, disseste bem: as pessoas levam anos para encontrar "a tampa da panela" deles, choram por decepções amorosas,perdem as esperanças , e qdo encontram essa pessoa e casam, muitos começam a focar em si e depois não sabem pq estão tão insatisfeitos e depois se separam pq não são mais "compatíveis".

Se a gente for parar para pensar.Ninguém é compatível com ninguém. Na família(mãe, pai e irmão)as pessoas não são compatíveis, pois pensam, age e respondem diferente.Elas DECIDEM se fazerem compatíveis, em outras palavras, decidem fazer com que as coisas funcionem.

No campo acadêmico e no trabalho é do mesmo jeito...Tem certas pessoas que não nos entram e que são até esquisitas, mas por um alvo maior a gente coloca as esquisitices do povo de lado para tirar aquele 10 ou para alcançar aquele alvo na empresa.

No casamento não é diferente.Ninguém é todo de bom, mas tb ninguém é de todo, ruim...Algo que tive que aprender no meu relacionamento tb foi ver que só pq meu esposo faz coisas que me irritam, isso não quer dizer que ele faz na intenção de irritar ou na intenção de ferir.É algo que todo casal tem que se policiar, pq é fácil pensar que o outro tem a intenção.

Um livro que eu acho muito interessante que fala sobre estudar o outro é o famoso "As cinco linguagens do amor" do autor Gary Chapman. Ele diz que às vezes as pessoas se "bicam" pq possuem linguagens de amor diferentes, mas se a gente aprender a do(a) nosso(a) esposo(a), a gente evita dar bola fora e vice-versa :)!

Bom, é isso.(rs!)

Bjos

Camila Monteiro disse...

Ehhh mas vcs dois são fofos mesmo né!
Sim conheci o blog do teu amore e realmente ele escreve bem! rsrs
Vc tb escreve, adoro teu espaço! Eu to meio longe de passar por isso, mesmo porque ainda não achei ninguem. Estou sem companheiro ainda para trilhar esse caminho, mas o texto é muito verdadeiro.

Ps: Nao queira passar aquele frio que eu passei porque achei que viraria um cubo degelo kkkkkkk

Beijao pra vc! Excelente final de semana!

нєllєи Cαяoliиє disse...

Thaís,belíssimas palavras!
" não é fácil viver a dois. Mas também não é tão difícil "
De fato,não é fácil,mas quando o intuito é viver ao lado de quem você "ama" devemos fazer algumas reformas interiores e exteriores,por mais que digamos que não,se faz necessário.
É quando a unção de duas vidas sendo uma,e passam a olhar juntos para o mesmo horizonte!
E eu acredito que podemos muito bem ser tristes sozinhos,mas felizes sozinhos,simplesmente não vejo como!
Mais uma vez então como você gosta: Parabéééééns pelo amor de vocês,exemplo para muitos afora! ;)
Um beijo.

KINHA disse...

Olá Thaís

Vim conhecer seu espaço e achei muito especial. Gostei e já estou te seguindo. Vou aguardar a sua visita e ficatrei feliz se me seguir também.

BJooooooooo.............

http://amigadamoda.blogspot.com

Thay Negrão disse...

Não sou casada,mas posso imaginar a dificuldade que duas pessoas encontram ao dividirem muitas coisas juntos, aliás...dividir tudo!Mas como hoje em dia nada impede mais quando a convivência não dá certo, é só obter a separação e cada um vai para um lado!!Vocês estão de parabéns, pois demonstram ter muita cumplicidade e muito amor um pelo o outro.
Beijosss....Boa semana!!!

"O casamento é uma instituição moderníssima. Hoje, nada mais obriga duas pessoas a estarem juntas, a não ser o amor" Wagner Moura

Flávia - Compartilhando Idéias... disse...

Acredito que a maior prova de amor (se é que o amor precisa de prova) é encontrar em si mesmo a sua capacidade de ceder.

Por mais que exista o amor verdadeiro, nada adiantará se no dia-a-dia ambos não aprenderem a fazer concessões.

Respeitar o momento do outro, seus dias nublados, as cólicas, os maus humores, os pitís, os atrasos, as preguiças, os esquecimentos, enfim, tudo que pode nos incomodar, são alguns exemplos de situações que nos põe a prova quase que diariamente.

E se não cedermos muitas vezes, se não nos fingirmos de surdas e cegas de vez enquando, acabamos nos estressando a toa e o amor, mesmo ainda existindo, vai se desgastando e perdendo o foco.

Quando você fala de amor, parece mesmo que tudo é muito simples, mas nós sabemos que não é.

Eu adoro cada vez que leio suas declarações. Isso me motiva a não esquecer que isso é importante. Também acabo me inspirando e, muitas vezes, meu dia fica até mais leve.

Adorei o que escreveu aqui.

Um beijo Tatá.

Salsicha Mecanica disse...

Parabens pelo blog, acompanho ja faz algumas semanas.
Estou seguindo, se puder, entra no meu blog e siga eu tb. Grato

Fotos da mulherada de Rio Preto e regiao. Atualizadas constantemente. da uma olhada la no mu blog: http://salsichamecanica.blogspot.com

Anônimo disse...

Nossa, realmente! concordo em genero numero e grau!!! paciencia realmente é uma virtude e alma gemea realmente nao existe..td é uma questao de adaptacao... bjs